RSS

Educação especial em Joinville

Tenho muito orgulho em fazer parte dos profissionais que acreditam e lutam pela Educação Especial.
Reportagem feita na escola onde atuo.


Cinoterapia

Na última sexta-feira, dia 21 de março, o Jornal Notícias do Dia acompanhou o atendimento e entrevistou os profissionais que desenvolvem o projeto e uma das alunas.

Auxiliares Monitores

Em nossa Rede temos os Auxiliares Monitores, que em outras regiões podem ser chamados de Auxiliares de Educador ou Professor, acompanham os alunos com deficiência em suas atividades de vida diária  -  higiene, alimentação, mobilidade e em sala de aula.

Para contribuir com o trabalho realizado por estes profissionais em nossa escola, montei um "Kit". Trata-se de um baldinho contendo materiais de uso constante em sala de aula. Assim não será preciso deixar o aluno em sala e ir buscar.

O kit contem:

1 calculadora
1 caixa de lápis de cor
1 caixa de giz de cera
1 caixa de canetinha
1 régua
1 lápis de escrever
1 borracha
1 apontador
1 cola
1 tesoura (se houver necessidade poderá ser tesoura adaptada)
1 caneta azul
1 caneta vermelha
1 pincel atômico
1 alfabeto móvel
Material dourado
números emborrachados de 0 à 9


O kit é montado de acordo com a necessidade do aluno. Se for necessário poderá ser acrescentado tesouras adaptadas, engrossadores, imagens para comunicação alternativa...



PNAIC - Ação Lúdica!

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa

Nós professores das Salas de Recursos devemos fazer parte da escola onde atuamos e isto acontece somente quando nos inteiramos a respeito de tudo o que ocorre. É preciso estarmos envolvidos com ações e projetos que envolve toda a comunidade escolar.
Não podemos nos limitar as nossas salas e as nossas atribuições, é preciso, de fato, fazer parte da escola!

Gostaria de sugerir aos professores das Salas de Recursos Multifuncionais um estudo dos cadernos do Pacto Nacional Pela Alfabetização Na Idade Certa. 
No capítulo 1.2.2 há um parágrafo que diz:

"Dentre os recursos mais relacionados à reflexão sobre o funcionamento do Sistema de Escrita Alfabética, podem ser citados os jogos de alfabetização, a exemplo dos kits enviados pelo MEC às escolas. Outros jogos, adquiridos pelas escolas e/ ou produzidos pela equipe, que são sempre necessários, se quisermos garantir uma ação lúdica de alfabetização".

Sabemos que não é na SRM que acontece a alfabetização e o letramento, mas os professores que atuam nestas salas têm entre outras atribuições preparar recursos para que isto ocorra na sala de aula comum.
Acredito que lendo este material do Ministério da Educação poderemos orientar ainda melhor os professores da sala de aula regular, pois o que muitos de nossos alunos necessitam é justamente o que está sendo proposto para TODOS os alunos, independente de sua condição física, sensorial ou intelectual. Uma ação lúdica, ambiente estimulante e convidativo, materiais e estratégias alternativas em benefício de sua aprendizagem.

Finalizando este post deixo uma sugestão simples de material (encontrei o modelo na internet e confeccionei com o recurso que tinha disponível) que todos os alunos podem utilizar em seu processo de alfabetização e que sem dúvida irá beneficiar nossos alunos com algum tipo de deficiência.

Ao invés do caderno e do lápis o aluno poderá utilizar o Lego para construir palavras!
Sugiro que seja utilizado o Lego quadrado (maior), assim será possível ampliar a fonte, o que beneficiaria um aluno Baixa Visão, por exemplo. 


Quem é o Cão Caju?



O Caju foi encontrado pelo Policial Rolf abandonado em uma das ruas de Joinville ainda filhote. Em parceria com clínicas veterinárias conseguiu tratamento, vacinas e alimentação nutritiva para o animal.

Com o passar do tempo percebeu-se o quando Caju era calmo de dócil. Foi então que surgiu a ideia de levá-lo para atuar com crianças, pois o animal afasta preconceitos e estreita laços de confiança.

Atualmente o Policial Rolf atende várias escolas com  o PROERD - Programa de Resistencia as Drogas, PROERD KIDS - para alunos do 2º ano,  palestras sobre trânsito (...). Para aproximar ainda mais os alunos o Cão Caju visita as escolas e torna algumas das aulas um momento ainda mais prazeroso e lúdico.

O Caju já foi até convidado a ir na Escola de Balé Bolshoi de Joinville e adivinha? Fez o maior sucesso!








Projeto Cão Caju

Este ano seremos "ousados"!

Com uma parceria entre a Sala de Recursos Multifuncionais, Polícia Militar de Joinville representada pelo policial Rolf Wolfgang Hendel e a Equipe Interdisciplinar Oeste, que faz parte de nossa escola (Psicóloga, Fonoaudióloga e Terapeuta Ocupacional), estamos desenvolvendo o projeto de cinoterapia chamado "Cão Caju".


Cinoterapia é uma terapia realizada com o auxílio de cães. É um recurso terapêutico inovador, muito utilizada como terapia para crianças com problemas psicológicos, problemas de relacionamento social ou afetivo (por exemplo, o autismo e distúrbios de aprendizagem). Profissionais das áreas de psiquiatria, pedagogia, fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional e psicologia contam com cães adestrados que auxiliam estes profissionais a trabalharem a fala, equilíbrio, expressão de sentimentos e motivação, possibilitando contato interpessoal, resgatando autoestima, respeito e companheirismo.  Conforme pesquisa recente, no contato com o cão existe uma liberação de substancias que podem ser benéficas para o organismo como a endorfina e a adrenalina.


A cinoterapia é um recurso alternativo no tratamento de pessoas com deficiência, e que oferece efeitos e benefícios no processo terapêutico, benefícios educacionais, recreacionais ou motivacionais a partir do contato com o animal; Importante lembrar que a cinoterapia é um tratamento complementar, e que não exclui e muito menos substitui o tratamento convencional.


Os cães são capazes de promover oportunidades para o crescimento pessoal baseado nos recursos recreativos e motivacionais.



De maneira lúdica, o cão estimula a imaginação, a linguagem, o equilíbrio, lateralidade, promove o auto conhecimento (físico, emocional e mental) minimizando diferenças. 





Alguns alunos das 30 unidades atendidas pela Equipe Interdisciplinar Oeste e pela SRM Valentim participam do projeto que ocorre semanalmente, sendo que o Cão Caju está presente a cada 15 dias.








Iniciando 2014

O ano de 2014 iniciou e com ele novos alunos e novos desafios. Certamente este será mais uma ano de busca por recursos, estratégias e meios que minimizem as barreiras e favoreçam a aprendizagem de nossos alunos.

Por que o AEE?

Porque [...] "temos o direito à diferença, quando 
a igualdade nos descaracteriza."
(Boaventura de Souza Santos)


Boas Férias

Agora é contagem regressiva...

Desejo à todos os colegas, em especial as professoras do AEE de Joinville, um final de ano maravilhoso, com toda a família reunida, curtindo as férias.

Bom descanso e até ano que vem!

Abraços,

Geisa.


Encerramento do ano letivo de 2013

Hoje, Dia Nacional da Pessoa com Deficiência, os professores de Educação Física de nossa escola em parceria com o AEE promoveram uma tarde divertida com jogo de Voleibol Inclusivo e em seguida um delicioso lanche de confraternização.

A iniciativa dos professores foi muito valiosa, pois essas são ações concretas que fazem com que uma escola caminhe rumo a Educação Inclusiva.












Como funciona o cérebro de um autista


Atendimento

 Atendimento Educacional Especializado realizado na Sala de Recursos Valentim:

Profissional da Equipe Interdisciplinar orientando professora de AEE durante atendimento do aluno na Sala de Recursos Multifuncionais.


Neste atendimento trabalhamos com parlendas que o aluno registrou 
através de ilustrações. Em seguida gravamos sua leitura para que 
ele pudesse ouvir sua fala. (...)




Alvo certo

Este material fiz a partir de um boneco tipo João Bobo que vi em uma loja que vende materiais adaptados aqui em Joinville.
Resolvi então confeccionar em forma de painel com um alvo.

Materiais necessários:

Folhas de EVA de sua cor preferida
Fio de lã
Bolinhas de isopor 0,25mm
Cola quente
Folha de papelão
Folha de papel imantado (é dispensável)
Números imantados (poderá ser substituído)

Como o material é utilizado:

Mais uma vez entra a questão dos objetivos específicos para cada criança. Com este material poderemos explorar a coordenação motora, reconhecimento de números, cálculos, combinados de grupo e tantos outros que  forem necessários.






Adaptação de Avaliação

O post de hoje traz um exemplo na prática do que já falei em posts anteriores no que se refere a adaptação de atividades.
Esta é uma avaliação de História para dois alunos do 9º ano do Ensino Fundamental. Ambos têm deficiência intelectual. Um deles decodifica o texto, porém tem dificuldade para compreender o que é solicitado.
Como eu já comentei anteriormente, o uso de imagens é muito importante para que os alunos possam fazer uma ligação com o que foi explicado em sala de aula. Através das imagens eles terão mais facilidade para responder as questões.

Prova original cedida pela professora:

  • Sempre solicito que os professores me entreguem as avaliações e atividades com as respostas para que eu possa adaptar;
  • A questão nº 1 foi adaptada integralmente;
  • A questão nº 2 tem várias opções, foi diminuído o número em 5,
  • A questão nº 3 a professora julgou não ser relevante neste momento.


Atividade adaptada:




Parceria com a NSO Borrachas


A tarde do dia 26 de junho de 2013 ficou marcada pela grande parceria que concretizamos com a Empresa NSO Borrachas que fica localizada no mesmo bairro de nossa escola.
Tivemos a honra de receber dona Sarah que veio conhecer o trabalho que é desenvolvido pela nossa escola e em especial o projeto de musicalização desenvolvido na SRM Valentim com os alunos do AEE e o 1º ano C (turma regular).

Para agradecer esta parceria tão valiosa os alunos receberam dona Sarah cantando a história do Macaquinho (Bia Bedran).




A partir de agora nosso Projeto de Musicalização " Socialização e Desenvolvimento de Habilidades Através da Musicalização" conta com o "Incentivo a Música nas Escolas" através da NSO Borrachas!



     Qual a importância de trabalhar com musicalização?

     Musicalizar é tornar a pessoa receptiva e sensível à música. As aulas de musicalização têm um formato e objetivos bem diferentes das aulas de música que visam à formação de músicos. Através da musicalização podemos:


  •       Desenvolver a criatividade, a autoestima e a capacidade de expressão por meio da    linguagem musical;
  •       Promover o contato com o mundo sonoro e a percepção rítmica por meio da linguagem musical;
  •       Promover a participação dos alunos como ouvintes e intérpretes;
  •       Favorecer a integração social, despertar e desenvolver o trabalho em equipe, o desembaraço e a autoconfiança;
  •       Trabalhar a concentração, memorização, consciência corporal e coordenação motora;
  •       Estimular o desenvolvimento intelectual, auditivo e sensorial.


  

Organização do Horário Semanal

Novas salas iniciaram em 2013 na Rede Municipal de Ensino de Joinville e na região onde atuo quatro professoras estão iniciando seu trabalho em uma SRM. Após algumas conversas decidimos montar um  grupo de estudos  onde trocamos experiências e tiramos dúvidas. Resolvi tomar esta iniciativa por estar há algum tempo atuando como professora de AEE e conhecer bem as dificuldades que enfrentamos no início desta caminhada. Nestes encontros que ocorrem mensalmente, durante meio período, discutimos como iniciar na escola, fazer observações de alunos, organizar documentações, elaborar um Estudo de Caso e Planos de AEE e até mesmo dicas de projetos e atividades que podem ser desenvolvidas com os alunos do AEE. 
As novas professoras estão recebendo formação, assim como eu recebi, mas sei o quanto a troca com outros colegas é importante.


Hoje irei novamente compartilhar algo simples, mas que gera muitas dúvidas para quem está iniciando, a organização do horário de atendimento dos alunos!

Cada um se organiza de acordo com a sua realidade, mas fica aqui a dica:


  • Visualizar a planilha de horários ajuda no momento de organização;
  • Fique atento se os alunos já fazem algum atendimento no contra turno para não "bater" os horários;
  • Sempre que possível converse com a família quanto ao horário (alguns alunos têm dificuldade para acordar cedo devido as medicações ou a família tem dificuldade para trazer o aluno em determinados dias ou horários);
  • Organize os atendimentos individuais ou em grupo;
  • Observe e veja que um dos horários tem 45 minutos. Use este horário para iniciar com os alunos que tem pouca concentração;
  • Preserve seu horário de café (aqui temos 15 minutos de intervalo);
  • Escolha um dia da semana em que não haverá atendimentos. Este é o dia em que usamos para formação continuada, grupos de estudos, pesquisas, confecção de materiais e adaptação de recursos;
  • Não se apavore , sei que um dia é pouco para todas as nossas atribuições, mas haverá sempre uma janela em nosso horário de atendimentos e sabemos que as faltas dos alunos nos atendimentos também ocorrem por vários motivos;
  • Aproveite as janelas para fazer monitoramento em sala de aula e avaliação de novos alunos.


Espero que estas dicas ajudem!

*** O horário para o turno vespertino segue no mesmo modelo.***



Jogo do Pula Sapo

Este jogo vi há muito tempo em uma feira na Univille e depois na internet para jogar online.

Resolvi criar este vídeo para explicar como se joga e quais materiais utilizar para construí-lo.

Agora é só assistir e botar a mão na massa!

Abraços.

video

Audiolivro na Biblioteca Escolar

Olá Pessoal!

Se você acompanha o blog ou já navegou nos arquivos percebeu que há alguns posts sobre audiolivro. Já publiquei sua importância, onde encontrar efeitos sonoros e o link para baixar o editor de som.

Neste post trago pra vocês a maneira que o audiolivro é utilizado em nossa escola:

Após gravados os livros vão para a biblioteca (o cd fica com a bibliotecária)

Os livros, organizados em uma das estantes, recebem um "selinho identificador" (imagem de uma menina com fone de ouvido). Na parede há informações em Língua Portuguesa e com símbolos da comunicação alternativa.



Durante a aula de leitura na biblioteca o aluno escolhe seu livro e leva até a bibliotecária para registrar (como os demais alunos. A diferença é que ao registrar seu livro o aluno recebe o cd com a história em áudio.

A professora interage com todos os alunos normalmente, o aluno que utiliza este recurso pode acompanhar a história no livro.

Para quem já leu o livro "O Leitor" ou mesmo assistiu o filme, entende a importância do aluno estar com o livro enquanto ouve a história.

Vamos lá pessoal, enriqueçam suas bibliotecas, se surgirem dúvidas me escrevam!


Memória Sonora

Neste atendimento os alunos precisavam mostrar que têm ouvidos afiados!

Usando o jogo "Memória Sonora" os alunos deveriam identificar os pares de sons, sendo que haviam alguns bem semelhantes e que realmente confundiam.

As crianças adoraram esta atividade que foi repetida várias vezes, pois eles não se cansavam de jogar.

Dica: Este jogo está na bolsa 2 do kit de musicalização que recebemos da Secretaria de Educação aqui de Joinville.



Tecnologia do Blogger.